segunda-feira, outubro 02, 2017

"Sociedade doente": Uma em cada seis cidades cearenses dizem ter problemas graves com crack.

 Dezessete por cento das cidades cearenses reconhecem ter um nível alto de problemas relacionados ao uso de crack. É o que aponta levantamento da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), que teve como base questionário sobre políticas sociais nas cidades, respondido por integrantes da administração de municípios de todo o País.

Entre as 32 cidades com graves problemas, estão Maracanaú, Eusébio, Sobral e Juazeiro do Norte. Fortaleza respondeu ter “problemas médios” com a droga, assim como outras 74 cidades. Responderam ter um “baixo nível de problemas” outras 77.

 Apenas sete cidades responderam não ter problema nenhum. Trinta e três não responderam, incluindo Caucaia.

Os resultados foram divulgado na última terça (26) na plataforma digital “Observatório do Crack“. O estudo apontou que o crack causa um nível alto de problemas em 1.151 municípios brasileiros — ou seja, uma em cada cinco cidades do País. Estima-se que cerca de 2 milhões de pessoas usem crack no Brasil. Apenas 254 cidades afirmaram não ter problemas com a droga.

A relação do uso de drogas, lícitas ou não, com a violência é evidente, o que suscita uma mudança de pensamento acerca das drogas a fim de um melhor enfrentamento do problema. É o que afirma o médico psiquiatra Fábio Gomes de Matos, professor da Universidade Federal do Ceará (UFC) e membro do Laboratório de Estudos da Violência (LEV), da mesma instituição.

Nenhum comentário: