quinta-feira, março 16, 2017

Câmara quer criar fundo público para financiamento de eleições: até R$ 6 bi

 Presidente da comissão da Câmara sobre reforma política, o deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA) disse que a crise política, aprofundada pelas delações da Odebrecht, produz no Congresso um movimento a favor da instituição de um modelo de financiamento das eleições com verbas do Tesouro Nacional. Ele informa que submeterá a voto na comissão projeto que cria um fundo público de financiamento eleitoral. Estima a destinação de algo entre R$ 4 bilhões e R$ 6 bilhões para o custeio das campanhas de 2018, quando serão disputados mandatos de presidente da República, governador, deputado estadual, deputado federal e senador.

Creio que vai haver praticamente um consenso em favor do financiamento público”, disse Vieira Lima. “Chegaremos a esse ponto em função da situação que estamos vivendo. Gente que era contra vai votar a favor. Por quê? Não é mais possível ressuscitar o financiamento privado de campanha. A opinião pública não deixa. E nenhuma empresa fará doação depois de tudo o que aconteceu. Não adianta recriarmos o financiamento empresarial se não vamos arrecadar nada.”

Vieira Lima prosseguiu: “Quais são as alternativas de fonte de financiamento eleitoral? Temos a contribuição de empresas, de pessoas físicas e o financiamento público. Uma vez que está descartado o financiamento de empresas, restam as pessoas físicas e o financiamento público. Os brasileiros não têm tradição de fazer doações eleitorais. Não se arrecada nada de pessoas físicas, como ficou claro nas eleições municipais de 2016. Então, vamos fazer um fundo. Esse fundo será abastecido com recursos do Estado, complementados pelas doações individuais.”

Junto com o fundo eleitoral a reforma que está prestes a sair do forno criará o sistema de votação em lista fechada. Em vez de votar em candidatos, o eleitor dará o seu voto aos partidos. Elegem-se os candidatos mais bem-postos numa lista pré-definida pelas cúpulas partidárias. Quer dizer: além de bancar as despesas da disputa, o eleitor será privado de pressionar na urna eletrônica o número do candidato de sua preferência.

Nenhum comentário:

Destaque

O fascismo da esquerda hipócrita

Com o título “O fascismo da esquerda hipócrita”, eis artigo de Catarina Rochamonte, doutora em Filosofia e professora da Uece. Ela bate...