quarta-feira, novembro 16, 2016

"Alerta": Ceará volta a ter casos do tipo mais grave da dengue, segundo o Ministério da Saúde

 Aumenta a preocupação de infectologistas com o avanço da dengue. Segundo dados do boletim epidemiológico do Ministério da Saúde (MS), relativos até setembro deste ano, o Ceará é um dos oito no Brasil que registram a reintrodução do sorotipo 2 da doença, o mais agressivo dos quatro vírus em circulação no País. Pará, Distrito Federal, São Paulo, Pernambuco, Goiás, Minas Gerais e Rio Grande do Sul também identificaram o reaparecimento desse tipo. Segundo o MS, foram analisadas três mil amostras positivas em laboratório, 5,7% já são do tipo 2. Dos 181 exames de pacientes cearenses, 36 deram diagnósticos para a dengue, sendo 2,8% do sorotipo mais virulento.

O Ceará não enfrentava esse tipo de vírus desde 2009, quando conseguiu erradicá-lo de seu território e, por isso, seu retorno representa grande apreensão por parte da área de saúde. O infectologista pediátrico do Hospital São José, Robério Leite, aponta que toda uma população que nunca teve dengue corre perigo, "mesmo aqueles que tiveram de outros sorotipos, pois, a doença é diferente da chikungunya ou zika, que só tem um vírus, e quem já teve está imunizados naturalmente". O médico não esconde o temor com o reaparecimento do tipo 2. "Imagine todas as crianças com até sete anos de idade. Elas estão desprotegidas e nossa inquietação tem sentido. Todos os anos que um sorotipo volta circular, existe maiores chances de epidemias de maior gravidade e precisamos sim nos organizar para não deixar isso ocorrer", defende.

De acordo com o especialista, grande parte da população teve o tipo 1, enfrentando epidemias em anos como 2011, 2012, 2014 e ano passado. "A ocorrência de uma segunda infecção por outro sorotipo aumenta o risco de desenvolvimento de uma das formas graves da doença, que podem levar à morte, como a febre hemorrágica", afirma e diz concordar com a Sociedade Brasileira de Dengue e Arboviroses, que aponta risco de desenvolvimento de uma forma grave da dengue é de 15 a 20 vezes maior quando se trata de uma segunda infecção.

A Secretaria da Saúde do Estado (Sesa) informa em nota, que não irá se pronunciar e que está em fase de finalização do Plano de Contingência das Arboviroses para 2017, que será lançado no fim deste mês e estará disponível na página oficial do órgão.

Com informações, SESA

Nenhum comentário: