quinta-feira, maio 05, 2016

LAVA JATO CONCLUI EM 60 DIAS INVESTIGAÇÃO DE PROPINA PAGA A CID



As acusações feitas pelo ex-governador Cid Gomes contra o ministro Teori Zavascki, o procurador Rodrigo Janot e o juiz Sérgio Moro no último sábado, na sua festa de aniversário em Sobral, parecem ter uma razão: a força-tarefa da Operação Lava Jato solicitou que a Polícia Federal investigue por mais 60 dias o setor de propina da construtora Odebrecht.

A notícia é um duro golpe a Cid. O Ministério Público Federal (MPF) em documento, segundo matéria do UOL, esclarece que as investigações sobre a lista de propina que envolve 300 políticos, onde Cid Gomes é citado como "O FALSO", ficaram paradas por um mês. Essa paralisação se deveu com a decisão de Moro de remeter todos os autos dessa investigação para o Supremo Tribunal Federal(STF).

Essa relação de políticos beneficiados com o pagamento de propina pela Odebrecht foi descoberta na residência de Benedicto Barbosa, então presidente da empreiteira. A superplanilha da empreiteira está sob apuração do MPF devido aos pagamentos feito a centenas de políticos. Cid é um deles, citado pelo recebimento de R$ 200 mil, o que pode levá-lo à prisão.

Na semana passada, o Supremo Tribunal Federal (STF) determinou a volta de parte dos autos para a primeira instância. A investigação da planilha de pagamentos a políticos está nas mãos do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, perante o STF. Como Cid não tem mandato - não tem direito a foro privilegiado - seu caso deverá ficar sob responsabilidade do juiz Sérgio Moro.

"Conforme se observou durante as investigações já empreendidas até o presente momento, a atividade de pagamento de vantagens indevidas por parte do Setor de Operações Estruturadas [nome oficial do 'setor de propinas'] operou por longo período de tempo, efetuando o pagamento de vantagens indevidas relacionadas a diversos contratos firmados pelo Grupo Odebrecht", assinalam os procuradores da República no Paraná.
Em 60 dias, o governador pode ser denunciado e, até outubro, o juiz Sérgio Moro deverá julgar seu caso.

Nenhum comentário: