quinta-feira, março 24, 2016

LAVA JATO. PLANILHAS DA ODEBRECHT CITAM MAIS DE 200 POLÍTICOS


 Documentos apreendidos pela Polícia Federal durante a Operação Lava Jato listam possíveis repasses da Odebrecht para mais de 200 políticos e 18 partidos políticos.
A informação é do blog do jornalista Fernando Rodrigues, do Uol, que divulgou material apreendido na 23ª fase da Lava Jato, batizada de “Acarajé”.

Nos documentos, são mencionados diversos políticos da base e da oposição, incluindo Humberto Costa (PT-PE), Aécio Neves (PSDB-MG), Romero Jucá (MPMDB-RR) e até Eduardo Campos (PSB-PE), morto em 2014. Ao lado dos nomes, são listados diversos valores, além de informações como cargo, partido e “codinome” do político.

Apelidos atribuídos aos políticos:

Jaques Wagner – Passivo; Eduardo Cunha – Carangueijo; Renan Calheiros – Atleta; José Sarney – Escritor; Eduardo Paes – Nervosinho; Humberto Costa – Drácula; Lindbergh Farias – Lindinho; Manuela D’Ávila – Avião; Romero Jucá – Cacique; Sergio Cabral – Proximus; Jarbas Vasconcellos Filho – Viagra.

Base, oposição e até membros da comissão do impeachment
No documento, por exemplo, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), aparece com codinome de "carangueijo", seguido por valor de R$ 500. Também estão citados deputados que incluem a comissão que julga impeachment de Dilma Rousseff (PT) no Congresso, como Paulinho da Força (SD-SP).

As citações não devem ser consideradas como prova de que os citados receberam repasses irregulares da empreiteira. Os indícios, no entanto, são investigados pela força-tarefa da Lava Jato.

Doações de campanha

Nos últimos anos, a Odebrecht se notabilizou como uma das maiores doadoras de campanhas para políticos no País. Em 2014, a empreiteira doou mais de R$ 48,4 milhões para candidatos individuais ou comitês de partidos.

Segundo a reportagem, algumas tabelas parecem fazer menção a doações de campanha registradas no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). São citados inclusive CNPJs e números de contadas usadas pelos partidos nas eleições de 2010. 
 

O POVO Online

Nenhum comentário: