Pular para o conteúdo principal

MATÉRIA DO JORNAL O POVO REPERCUTE RELATÓRIO DA CGU E AS IRREGULARIDADES DETECTADAS EM 7 MUNICÍPIOS. NOS SERTÕES DE CRATEÚS, A FISCALIZAÇÃO DO ÓRGÃO FOI EM ARARENDÁ

Em Ararendá, banheiro teria sido feito com verba pública em um bar. Irregularidades foram apontadas também no transporte escolar

CGU aponta uso indevido de verba pública até para banheiros em bares


Auditoria da Controladoria Geral da União em sete municípios do Ceará apontou uma série de supostas irregularidades em programas federais. Desvios vão até superfaturamento em merenda e transporte escolar

Auditoria da Controladoria Geral da União (CGU) em sete municípios do Ceará apontou uma série de supostas irregularidades em programas federais. Com superfaturamentos e desvios em merenda e transporte escolar, foi apontado até uso de dinheiro público para construção de banheiros em bares dos municípios.

Investigações integram ação de fiscalização por sorteio da CGU. Em 2015, foram visitados os municípios cearenses de Ararendá, Barreira, Capistrano, Chaval, Chorozinho, Itapajé e Martinópole, sendo identificadas irregularidades em todos eles.

Alguns casos chamam a atenção: em Ararendá, relatório apontou que banheiros populares, voltados para população carente, indo para famílias de renda maior. Em alguns casos, kits foram instalados em dois bares do município e disponibilizados aos clientes.

Já em Capistrano, obra abandonada de uma Unidade Básica de Saúde (UBS) acabou virando terreno para criação de galinhas. Em Chaval, Prefeitura construiu sistemas de abastecimento de R$ 729 mil em região que já vivia colapso d’água - sem ter o que armazenar nos equipamentos.

A Prefeitura de Chaval argumenta que adutora da Cagece é esperada para a área, e que o sistema irá armazenar essas águas. No caso dos banheiros, gestão de Ararendá diz que o cadastro de beneficiários foi realizado pela gestão anterior. Já a Prefeitura de Chaval não respondeu questionamentos da CGU.


Casos comuns


Em todos os municípios auditados, foram apontados problemas envolvendo recursos do Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), sobretudo com o transporte e merenda escolar.

Uma irregularidade comum foi a terceirização total do transporte - a subcontratação -, que permitia que empresas sem quaisquer veículos vencessem licitações do serviço. Casos assim foram apontados em todos os municípios, chegando a prejuízo de até R$ 306,2 mil em Chaval.

A Prefeitura, no entanto, questiona a acusação, afirmando que, embora o serviço seja realizado por terceiros, todos os encargos do contrato recaem sobre a empresa contratada. Outro caso comum envolvia o superdimensionamento de distâncias contratadas para o transporte.

Em Itapagé, por exemplo, a Prefeitura teria pagado 29km por um trecho de, na verdade, 12km. Com outras rotas “exageradas”, gestão teria tido prejuízo de R$ 1,3 milhão. A Prefeitura não respondeu questionamento da CGU.

No caso da merenda, irregularidades comuns foram a falta de estrutura para armazenar alimentos e até superfaturamento de itens. Em Ararendá, por exemplo, farinha de mandioca era comprada pela Prefeitura por preço até 76% maior do que o encontrado no mercado local. A gestão rebate as acusações, afirmando que o valor segue o que prevê a lei de licitações.


Entenda


Desde 2003, a CGU já fiscalizou mais de 2,1 mil municípios. As ações já analisaram mais de R$ 21 bilhões transferidos pelo Governo Federal.



Entre problemas mais comuns, estão fraudes em licitações, falta de medicamentos, armazenamento irregular de alimentos e remédios.

Confira relatórios no link http://bit.ly/1nDLAGm


Saiba mais


Outros casos chamam a atenção. Em diversos municípios, foram constatados veículos de transporte escolar inadequados, incluindo os famosos paus de arara.

Ararendá
Subcontratação de transporte teria gerado prejuízo de até R$ 180,7 mil. Gestão argumenta que, se contratasse direto, teria que pagar 20% da previdência e outros encargos, encarecendo ainda mais o contrato. 
 
Barreira
CGU acusa subcontratação do transporte escolar, com prejuízo de até R$ 188 mil. Gestão rejeita prejuízos, afirmando que contrato seguiu especificações do edital, e serviço foi prestado com qualidade e preço compatível.

Capistrano
CGU identificou escolas sem espaço para armazenamento de merenda, sem ventilação e número de freezers desnecessários. A gestão não respondeu as acusações.

Chaval
Equipe da CGU identificou mais de 5 mil comprimidos de remédios com validade vencida em lixões do município. A gestão argumenta que remédios foram adquiridos pela gestão anterior.

Chorozinho
CGU encontrou insetos e larvas em alimentos da merenda da escola Gregorio de Matos. Gestão não se manifestou.

Itapajé
Escola que foi fechada em outubro de 2013 recebeu alimentos em novembro de 2013, após o encerramento de suas atividades. Vários quilos de biscoitos, macarrão, óleo de soja, leite em pó, açúcar, “sumiram”. Gestão não respondeu a CGU.

Martinópole
Alimentos da merenda eram armazenados sobre cadeiras, em salas inadequadas e com refrigeração e estoque deficiente. Gestão alega falta de recursos.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como a crítica de um global faz bem… Jericoacoara ganha 40 policiais para policiamento

A Vila de Jericoacoara tinha tudo pra ser o local mais tranquilo do mundo. A aldeia e visitada por turistas de todo o planeta que veem em busca de paz, lazer e aproveitar as belas praias, dunas e lagoas, além do sol. As ocorrências policiais registradas com marcas de violência e motes, o abundante tráfico e consumo de drogas, ameaçam os visitantes.

O governo do Ceará decidiu intervir. Escalou um comando militar com destacamento de 40 homens para atuar na vila e vai instalar uma delegacia. Não seria necessário se a comunidade lutasse pela preservação e denuncia-se os marginais que querem estragar um paraíso global.

Estado patrão e explorador

As eleições nacionais se avizinham. Ninguém sabe ao certo qual será a pauta que vai centralizar as atenções dos candidatos. Porém, é possível antecipar uma certeza: a maioria vai prometer mundos e fundos com um Estado tentacular, patrão, interventor e paternalista. Mais do mesmo que foi oferecido ao povo brasileiro ao longo de praticamente toda a história republicana nacional. Com sorte, pode aparecer um ou outro concorrente que não vai propor fórmulas milagrosas, mas sim a mais óbvia promessa para combater os vícios estatais e estabelecer as virtudes das liberdades econômicas.
No caso, desestatizar o País e a nossa política que, como de resto, é dependente do Estado. Não será preciso dizer muito. Basta mostrar o País que temos hoje após décadas e décadas de Estado interventor e baixo nível de liberdade econômica.
Sim, a pobreza no Brasil e a concentração de renda se relacionam muito mais com a intervenção do Estado na economia do que com razões supostamente estruturais. Puxemos dos arq…

Prefeito de Ararendá foi duramente criticado por vereadores governistas de Ipueiras

O Prefeito do Ararendá, Aristeu, recebeu fortes críticas por parte dos vereadores da bancada de situação de Ipueiras na sessão da Câmara Municipal do dia 09-11-2017.
O vereador Antônio Dandão reclamou a forma como os ipueirenses são maltratados no Hospital de Ararendá. De acordo com Dandão o Prefeito de Ararendá tem memória curta e não se lembra que quando foi para ele se eleger o Hospital de Ipueiras recebia 'carradas' de gente do Ararendá para ser atendidos.
"O Prefeito Aristeu anda matriculando os alunos de Ipueiras no Ararendá que é para aumentar o repasse" afirmou o Líder do Prefeito de Ipueiras.
O Vereador Gonçalinho do Livramento chegou a se pronunciar dizendo que ele mesmo era quem trazia o povo do Ararendá para ser consultado em Ipueiras e lamentou o fato de o Prefeito Aristeu está se comportando de tal maneira.


Gazeta de Ipueiras

MAIS UM SUPLENTE CHEGA AO SENADO SEM UM SÓ VOTO

Em artigo, o jornalista Hélio Doyle fala sobre a licença do senador Cristovam Buarque, eleito pelo PDT e hoje PPS. Cristovam testará sua popularidade pelo país para uma possível candidatura à presidência da República. Em seu lugar, no Senado, assumirá o suplente Wilmar Lacerda, do PT. Doyle  aborda os privilégios inerentes ao cargo que, a partir de dezembro, Lacerda terá, apesar de não ter recebido nenhum voto popular. Entre os benefícios, salário de R$ 33 mil mensais e um excelente plano de saúde vitalício extensivo aos dependentes.

Itens da nova legislação trabalhista são questionados em ações no STF

As novas regras da legislação trabalhista entraram em vigor neste sábado (11) e parte dos itens é alvo de questionamentos em ações no Supremo Tribunal Federal (STF). Desde a sanção da lei, em julho, ao menos quatro ações passaram a tramitar na Corte para contestar pontos da nova legislação.

Em todas essas açõs, os ministros responsáveis pela análise inicial, Luís Roberto Barroso e Edson Fachin, optaram por não conceder, de imediato, decisões liminares (provisórias) e suspender as regras.

Assim, a tendência é que as ações sejam levadas ao plenário do STF para que as regras sejam discutidas mais a fundo por todos os 11 ministros da Corte.

Ainda não há data prevista para esses julgamentos. Só deverão ser realizados depois que o Executivo e Legislativo (responsáveis pela nova lei) se manifestarem nos processos, o que ainda não ocorreu.

Para derrubar qualquer alguma nova regra, serão necessários os votos de, pelo menos, 6 dos 11 ministros da Corte. Ou seja, a maioria deverá considerar que a n…