Pular para o conteúdo principal

QUEM É QUEM NO TIME JÁ ANUNCIADO DE DILMA


A relação e um breve perfil dos ministros já confirmados por Dilma para o seu segundo mandato:

Joaquim Levy – Ministério da Fazenda

Ex-secretário do Tesouro Nacional no governo Lula, foi chefe da assessoria econômica do Ministério do Planejamento no governo Fernando Henrique Cardoso. É Ph.D em Economia pela Universidade de Chicago, nos Estados Unidos. Foi vice-presidente de Finanças e Administração do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e secretário da Fazenda no primeiro governo Sérgio Cabral (PMDB) no Rio de Janeiro. Estava na diretoria do Bradesco. Sua indicação enfrentou resistência de parte do PT, que considera seu perfil conservador.

Nelson Barbosa – Ministério do Planejamento

Professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV), é economista com Ph.D pela New School for Social Research, de Nova York. Secretário-executivo da Fazenda entre 2011 e 2013, deixou a pasta após desentendimento com o secretário de Tesouro, Arno Augustin. No Ministério da Fazenda, também foi secretário de Política Econômica. Já trabalhou no Ministério do Planejamento (2003), no Banco Central (1994-1997) e presidiu o Conselho do Banco do Brasil (2009- 2013).

Alexandre Tombini – Banco Central

No comando do BC desde janeiro de 2011, será mantido no cargo. Ph.D em Economia pela Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, é funcionário de carreira do Banco Central desde 1998. Afastou-se da instituição entre 2001 e 2005, quando foi assessor sênior da Diretoria Executiva no escritório da representação brasileira do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Armando Monteiro (PTB-PE) – Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio

Ex-presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), é senador. É formado em Administração de Empresas e Direito. Ex-deputado federal, foi o segundo colocado na disputa ao governo de Pernambuco em 2014, ao perder no primeiro turno para Paulo Câmara (PSB).

Eduardo Braga (PMDB-AM) – Ministério de Minas e Energia

Ex-governador do Amazonas, é o atual líder do governo no Senado. Este ano perdeu a disputa ao governo estadual para José Melo (Pros). É empresário e engenheiro.

Kátia Abreu (PMDB-TO) – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Uma das principais lideranças da bancada ruralista no Congresso, é presidente da Confederação Nacional de Agricultura (CNA). Filiada ao PFL/DEM, foi uma das principais opositoras do governo Lula. Após se filiar ao PSD, passou a dialogar com a presidente Dilma, de quem se tornou próxima. Sua indicação enfrentou forte resistência de correntes mais à esquerda do PT e de movimentos sociais, como o MST. É formada em Psicologia.

Helder Barbalho (PMDB-PA) – Ministério da Pesca

Ex-prefeito de Ananindeua (PA), perdeu no segundo turno a disputa ao governo do Pará em outubro. É filho do senador Jader Barbalho (PMDB-PA). Radialista, tem 35 anos e é o mais jovem entre os ministros anunciados até agora.

Vinícius Lajes (PMDB-AL) – Ministério do Turismo

Titular da pasta desde março, foi gerente da unidade de assessoria internacional do Sebrae entre 2007 e o começo deste ano. Sua indicação foi contestada pelo PMDB, mas teve o aval do senador Renan Calheiros (PMDB-AL), seu conterrâneo.

Eliseu Padilha (PMDB-RS) – Secretaria de Aviação Civil

Ministro dos Transportes no governo FHC, é deputado federal reeleito. Deixou o governo Fernando Henrique após ser acusado de receber propina, mas o processo foi arquivado posteriormente. Embora tenha apoiado o PSDB nas eleições de 2002 e 2006, trabalhou este ano pela reeleição de Dilma. É advogado.

Edinho Araújo (PMDB-SP) – Secretaria de Portos

Vice-líder do PMDB na Câmara, é deputado federal reeleito para o quarto mandato. Advogado, faz parte do grupo político do vice-presidente Michel Temer.

Jaques Wagner (PT-BA) – Ministério da Defesa
Ex-deputado federal, conclui o seu segundo mandato consecutivo como governador da Bahia. Conseguiu fazer do deputado Rui Costa (PT-BA) seu sucessor. No governo Lula, foi ministro do Trabalho e comandou a Secretaria de Relações Institucionais durante a crise do mensalão. É o único petista confirmado até agora.

Cid Gomes (Pros-CE) – Ministério da Educação

Conclui o seu segundo mandato de governador do Ceará. Irmão do ex-governador e ex-ministro Ciro Gomes, fez sucessor no governo cearense: o petista Camilo Santana. Cid e Ciro deixaram o PSB para continuar a aliança com Dilma após o então presidente do partido, Eduardo Campos, lançar sua pré-candidatura ao Planalto. É engenheiro.

Aldo Rebelo (PCdoB-SP) – Ministério de Ciência e Tecnologia

Atual titular do Ministério do Esporte, o deputado federal licenciado não disputou a eleição este ano. Foi o principal representante do governo na organização da Copa do Mundo. É advogado e já presidiu a Câmara e foi ministro da Coordenação Política e Relações Institucionais do governo Lula.

Gilberto Kassab (PSD-SP) – Ministério das Cidades

Ex-prefeito de São Paulo, foi o terceiro colocado na disputa ao Senado. Historicamente ligado ao PSDB, deixou o DEM para fundar o PSD, por meio do qual se aproximou do PT. Será o primeiro representante do partido a ocupar um ministério.

George Hilton (PRB-MG) – Ministério do Esporte

É pastor licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus e deputado federal reeleito. Sua indicação tem sido contestada devido à falta de experiência e atuação na área esportiva. O deputado passou a última semana dando explicações sobre fatos de seu passado. O mais notório dele ocorreu em 2005, quando foi detido pela Polícia Federal com mais de R$ 600 mil(em valores da época) em um aeroporto em Belo Horizonte. O dinheiro, segundo ele, era de fiéis da Igreja Universal. Apesar de o processo ter sido arquivado, acabou expulso do PFL, partido pelo qual era deputado estadual em Minas.

Nilma Gomes – Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial

Pedagoga e professora universitária, foi a primeira negra a assumir, em abril de 2013, a reitoria de uma universidade federal – a Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab), com sede em Redenção (CE). Com pós-doutorado na Universidade de Coimbra, Portugal, é considerada de perfil técnico. Não tem filiação partidária.

Valdir Simão – Controladoria-Geral da União

Sem filiação partidária, é o atual secretário-executivo da Casa Civil. Considerado de perfil técnico, é auditor de carreira da Receita Federal. Foi coordenador do Gabinete Digital da Presidência da República e secretário-executivo do Ministério do Turismo. Também presidiu o Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) e foi secretário da Fazenda do Distrito Federal.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como a crítica de um global faz bem… Jericoacoara ganha 40 policiais para policiamento

A Vila de Jericoacoara tinha tudo pra ser o local mais tranquilo do mundo. A aldeia e visitada por turistas de todo o planeta que veem em busca de paz, lazer e aproveitar as belas praias, dunas e lagoas, além do sol. As ocorrências policiais registradas com marcas de violência e motes, o abundante tráfico e consumo de drogas, ameaçam os visitantes.

O governo do Ceará decidiu intervir. Escalou um comando militar com destacamento de 40 homens para atuar na vila e vai instalar uma delegacia. Não seria necessário se a comunidade lutasse pela preservação e denuncia-se os marginais que querem estragar um paraíso global.

Itens da nova legislação trabalhista são questionados em ações no STF

As novas regras da legislação trabalhista entraram em vigor neste sábado (11) e parte dos itens é alvo de questionamentos em ações no Supremo Tribunal Federal (STF). Desde a sanção da lei, em julho, ao menos quatro ações passaram a tramitar na Corte para contestar pontos da nova legislação.

Em todas essas açõs, os ministros responsáveis pela análise inicial, Luís Roberto Barroso e Edson Fachin, optaram por não conceder, de imediato, decisões liminares (provisórias) e suspender as regras.

Assim, a tendência é que as ações sejam levadas ao plenário do STF para que as regras sejam discutidas mais a fundo por todos os 11 ministros da Corte.

Ainda não há data prevista para esses julgamentos. Só deverão ser realizados depois que o Executivo e Legislativo (responsáveis pela nova lei) se manifestarem nos processos, o que ainda não ocorreu.

Para derrubar qualquer alguma nova regra, serão necessários os votos de, pelo menos, 6 dos 11 ministros da Corte. Ou seja, a maioria deverá considerar que a n…

MAIS UM SUPLENTE CHEGA AO SENADO SEM UM SÓ VOTO

Em artigo, o jornalista Hélio Doyle fala sobre a licença do senador Cristovam Buarque, eleito pelo PDT e hoje PPS. Cristovam testará sua popularidade pelo país para uma possível candidatura à presidência da República. Em seu lugar, no Senado, assumirá o suplente Wilmar Lacerda, do PT. Doyle  aborda os privilégios inerentes ao cargo que, a partir de dezembro, Lacerda terá, apesar de não ter recebido nenhum voto popular. Entre os benefícios, salário de R$ 33 mil mensais e um excelente plano de saúde vitalício extensivo aos dependentes.

Estado patrão e explorador

As eleições nacionais se avizinham. Ninguém sabe ao certo qual será a pauta que vai centralizar as atenções dos candidatos. Porém, é possível antecipar uma certeza: a maioria vai prometer mundos e fundos com um Estado tentacular, patrão, interventor e paternalista. Mais do mesmo que foi oferecido ao povo brasileiro ao longo de praticamente toda a história republicana nacional. Com sorte, pode aparecer um ou outro concorrente que não vai propor fórmulas milagrosas, mas sim a mais óbvia promessa para combater os vícios estatais e estabelecer as virtudes das liberdades econômicas.
No caso, desestatizar o País e a nossa política que, como de resto, é dependente do Estado. Não será preciso dizer muito. Basta mostrar o País que temos hoje após décadas e décadas de Estado interventor e baixo nível de liberdade econômica.
Sim, a pobreza no Brasil e a concentração de renda se relacionam muito mais com a intervenção do Estado na economia do que com razões supostamente estruturais. Puxemos dos arq…

Reforma trabalhista: saiba o que muda e quais profissões serão afetadas

Em vigor a partir deste sábado (11), a reforma trabalhista traz regras que alteram a legislação atual e novas definições sobre pontos como férias, jornada de trabalho e a relação com sindicatos das categorias. Ao todo, foram alterados mais de 100 artigos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e criadas duas modalidades de contratação: trabalho intermitente (por jornada ou hora de serviço) e a do teletrabalho, chamado home office (trabalho à distância).
A nova legislação trabalhista se aplica a todas as categorias regidas pela CLT e também àquelas que dispõem de legislações específicas – como trabalhadores domésticos, atletas profissionais, aeronautas, artistas, advogados e médicos – no que for pertinente. As novas regras não afetam trabalhadores autônomos e servidores públicos estatutários, por não estarem vinculados à CLT.
Pelas características das atividades desempenhadas, alguns setores tendem a ser mais atingidos pelas novas normas. Quem trabalha em empresas de tecnologias e sta…